terça-feira, 30 de novembro de 2021

Notícias

In:

90 anos de história

Por Laurentino Veiga

De repente, chega-me às minhas mãos o bonito livro Associação Bahiana de Imprensa, que comemorou em 2020; seus 90 anos de história. Isto é, comandada pelo colega Walter Pinheiro. E, portanto, vale reproduzir suas sábias palavras: ” Agosto de 1930. Salvador, próxima a atingir 300 mil habitantes, vivia as tensões político-sociais que vieram desaguar na Revolução de 1930. A Bahia era servida por cerca de 50 publicações, entre jornais diário, semanais e revistas. A Tarde e o Diário de Notícias disputavam a liderança. A imprensa já se fazia influente na Soterópolis das Américas”.

A obra é composta de Apresentação, Fotos de reuniões históricas, Um dia de Domingo, Fotos de Thales de Freitas, O Perfil dos Fundadores da ABI, Diário de Notícias, Um perfil de Ranulfo Oliveira, Fundadores da ABI, veículos de comunicação, A primeira Mulher na ABI, Um perfil de Altamirando Requião, O fim do noivado com o interventor, Sangue no corredor da vitória, Graves acontecimentos na Bahia, Protocolo Formal, A ABI em tempos de guerra, A guerra em nosso quintal, Tributo a Ruy Barbosa, A casa de Ruy Barbosa restaurada, O acervo ganha novas peças e documentos, Gazeta Judiciária, Diretores do Museu  Casa de Ruy Barbosa, III Congresso nacional de jornalistas (1949), Um especialista em Heráldica, Hino do Jornalista, Abiblioteca da ABI, A Inauguração Oficial e mais doações, Xerox de carteiras da ABI, Retrato de Therezinha de Freitas, filha do idealizador da entidade, Thales de Freitas, colocando a pedra fundamental(1953). Afora isso, artigos, depoimentos, registros de personalidades nacionais.

Coincidentemente, a Associação Alagoana de Imprensa (AAI), fundada em 13 de junho de 193l, completou no ano fluente 90 anos também de História. Infelizmente, atravessa uma crise financeira nunca vistas nos anais de sua saga. A propósito, em 2018, o então vereador de Maceió Dr. Silvio Camelo apresentou Projeto de Lei alocando no orçamento da Prefeitura a quantia de 20 mil reais. Importância que daria para saldar débitos da entidade e dar continuidade a sua história. Infelizmente, o ex-alcaide da capital, Rui Palmeira, não autorizou o pagamento da Subvenção Social, isto é, o então poderoso prefeito, filho do probo Guilherme Palmeira, não herdou sua sensibilidade pública. Resultado: a AAI encontra-se na iminência de perder seu patrimônio. Aliás, a história de uma entidade que marcou seu tempo com Genésio de Carvalho.

Por fim, parabenizo a congênere pelo excelente livro publicado. A Bahia como primeira capital do Brasil, tem contribuído pela cultural nacional. 0 Águia de Haia projetou a nação verde-amarela no exterior. Merece, pois, encômios aos colegas baianos pela feliz iniciativa.

Compartilhe:

Comente no Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *