sábado, 25 de setembro de 2021

Notícias

In:

Seleção brasileira tem expulsão no início e empata sem gols com a Costa do Marfim

Em seu segundo desafio nos Jogos Olímpicos de Tóquio, a seleção brasileira masculina de futebol apenas empatou sem gols com a Costa do Marfim. No começo da manhã deste domingo, pelo horário de Brasília, fim da tarde no Japão, o Brasil foi prejudicado pela expulsão precoce do volante Douglas Luiz e não fez um bom primeiro tempo. Na etapa final, com o vermelho apresentado a Eboue Kouassi e as alterações promovidas pelo técnico André Jardine, a equipe cresceu, dominou as ações e pressionou em busca da vitória, que, porém, não veio.

Brasil e Costa do Marfim nunca haviam se enfrentado na história do torneio olímpico de futebol masculino. Na primeira vez, empate sem gols em um jogo truncado no primeiro tempo, mas mais aberto no segundo, com volume de jogo suficiente para vencer. “A gente conseguiu as melhores ocasiões de gols. São circunstância de jogos. Tenho minhas dúvidas se a expulsão deveria ter ocorrido”, disse o capitão Daniel Alves na saída de campo.

O Brasil, que vencera na primeira rodada a Alemanha, divide a liderança do Grupo D com a Costa do Marfim. Ambos somam quatro pontos, mas os brasileiros levam a melhor no saldo de gols.

Para encerrar a fase de grupos, a seleção brasileira encara na próxima quarta-feira, às 5h (de Brasília) a Arábia Saudita, rival mais frágil tecnicamente da chave. O jogo será na cidade de Saitama. No mesmo dia e hora, os marfinenses enfrentam os alemães em Miyagi.

Qualquer possibilidade de repetir contra os marfinenses a atuação avassaladora exibida diante dos alemães foi sepultada no principio do jogo deste domingo com a expulsão de Douglas Luiz. O volante brasileiro fez falta próxima à área e inicialmente levou o amarelo. Mas o árbitro americano Ismail Elfath reviu o lance no monitor do VAR e decidiu expulsar exageradamente o jogador aos 15 minutos.

O técnico André Jardine sinalizou a entrada de Gabriel Menino, mas desistiu da mudança e manteve a mesma formação, mesmo com um jogador a menos. Com a inferioridade numérica, os atacantes se desdobraram para ajudar o sistema defensivo e a estratégia desenhada foi apostar nos contragolpes.

O Brasil até que se segurou bem. Naturalmente chegou menos ao ataque que o adversário, finalizando três vezes contra sete da seleção marfinense. Os contra-ataques tão buscados começaram a encaixar no fim do primeiro tempo, mas nenhum deles foi aproveitado. As oportunidades mais claras saíram dos pés de Antony em tentativa de cruzamento que virou chute e Claudinho, travado na hora do arremate.

A Costa do Marfim assustou o goleiro Santos em duas ocasiões, mas os africanos, reconhecidos pelo futebol que preza a força física e velocidade e não tanto a qualidade técnica, não acertaram a pontaria. O camisa 10 Diallo foi quem mais tentou pelo lado dos marfinenses, que respeitaram demais os brasileiros e adotaram a cautela, a despeito de jogarem com um a mais durante quase toda a etapa inicial.

Jardine manteve a equipe para o segundo tempo e, embora não tenha havido mudanças de peças, a postura foi diferente. A seleção brasileira retornou melhor do intervalo. Sabendo da passividade do adversário, resolveu atacar e ocupou o campo ofensivo.

Foi difícil, porém, encontrar espaços na zaga dos marfinenses. E nas vezes em que conseguiram, os atacantes brasileiros falharam na finalização. Matheus Cunha, por exemplo, recebeu bom cruzamento de Bruno Guimarães, mas cabeceou no meio do gol.

O Brasil intensificou a pressão a partir das alterações de Jardine, que lançou mão de Gabriel Martinelli, Malcom e Paulinho. Daniel Alves ajudou pelo meio na criação e a equipe passou a encontrar mais espaços depois que a igualdade numérica foi restabelecida com a expulsão de Eboue Kouassi aos 34 minutos.

Foram aos menos quatro chances claras no minutos finais. Claudinho arriscou chute de fora da área pra fora, Arana soltou a bomba para a defesa do goleiro marfinense, Paulinho foi bloqueado no momento em que mandaria a bola para as redes e Malcom cabeceou para fora após cruzamento da direita.

A seleção brasileira fez um jogo seguro na etapa final, finalizou mais vezes e não permitiu um arremate sequer da Costa do Marfim. Fica a boa impressão pelo bom segundo tempo em Yokohama.

FICHA TÉCNICA

BRASIL 0 X 0 COSTA DO MARFIM

BRASIL – Santos; Daniel Alves, Nino, Diego Carlos e Guilherme Arana; Douglas Luiz, Bruno Guimarães e Claudinho; Antony (Malcom), Richarlison (Paulinho) e Matheus Cunha (Gabriel Martinelli). Técnico: André Jardine.

COSTA DO MARFIM – Ira; Bailly, Dabila, Ismael Diallo e Singo; Ouatara (Kouao), Kessié (Keita), Amad Diallo (Kouamé) e Gradel (Doumbia); Kouassi e Dao (Timite). Técnico: Soualiho Haidara.

ÁRBITRO – Ismail Elfath (Estados Unidos)

CARTÕES AMARELOS – Ismael Diallo, Kouassi

CARTÕES VERMELHOS – Douglas Luiz e Kouassi

LOCAL – Estádio de Yokohama, no Japão.

Autor: Ricardo Magatti
Copyright © 2021 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Compartilhe:

Comente no Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *