domingo, 27 de setembro de 2020

Notícias

In:

Cristo, um artista sertanejo ainda por receber o merecido reconhecimento

Por Edvaldo Nascimento

O artista Cristiano Guimarães, o Cristo

Cristiniano Guimarães é um alagoano de Água Branca, cidade serrana localizada no sertão. Aos 49 anos, Cristo – como é conhecido na cidade – é um artista plástico criativo, sensível, observador, autêntico e, sobretudo, disposto a transformar o município sertanejo em referência cultural.

Quando criança, fazia seus próprios brinquedos utilizando matérias primas da região como o facheiro, usado para fazer espadas. Ou latas para produzir carrinhos. O importante para o garoto inquieto era encontrar alternativas para brincar. Diante das dificuldades econômicas, restava-lhe usar a criatividade para produzir seus brinquedos. Os restos de madeira que sobravam das esculturas produzidas por seu pai eram aproveitados para fazer esculturas.

Iniciou os estudos em Água Branca, mas cedo abandonou a escola como a maioria das crianças que tem que trabalhar para ajudar no sustento da família. Cristo concluiu o ensino médio já adulto. A sede pelo conhecimento o levou a trabalhar e estudar, já na época em que atuava na construção civil.

Seu pai, Claudionor Guimaraes da Silva – conhecido Nozinho -é um artista conhecido nos municípios do alto sertão de Alagoas; e sua mãe, Maria Alcântara, professora da Rede Pública Municipal. Cristo conta que quando garoto ajudava o pai no trabalho de escultura em madeira. Verdadeiras obras de arte. Além de desenvolver o talento de esculturas em madeiras, o inquieto artista também é músico e artista plástico. As primeiras peças produzidas pelo artista foram carrancas.

No seu ateliê, localizado no município de Água Branca, Cristo dá forma aos mais diversos personagens, seja esculpindo ou criando objetos como as máscaras. A solidão vivenciada nos momentos que se dedica a produzir sua arte, geralmente noite à dentro, é preenchida quando vê o resultado do que ele mesmo não consegue explicar.

No entanto, Cristo é um artista que vivencia as mesmas situações da maioria dos artistas brasileiros, a falta de valorização. Com peças dignas de exibição em qualquer grande exposição nacional ou internacional.

O artista quase abandona as artes, já que o que ganha com as suas peças não é suficiente para garantir a sobrevivência. Assim, Cristo também é pião de trecho, como são conhecidos os trabalhadores que vivem de obra em obra por diversas regiões do Brasil.

A crise vivenciada pela construção civil fez o alagoano voltar a dedicar-se às artes, que embora não suficiente têm ajudado a pagar as despesas. Ele diz que seu ressurgimento como artista se deu justamente nesse contexto.

Trabalhando com diversos tipos de materiais, principalmente com madeira, esse artista sertanejo também é músico. O que não lhe falta é talento.

Cristo, uma referência para novas gerações.

Água Branca, é um município que mantém uma vasta diversidade cultural. O artesanato em palha, barro e madeira é produzido por diversos artistas locais. Sede de baronato no século XVIII, Água Branca mantém um conjunto arquitetônico colonial ainda preservado. As manifestações culturais, folguedos como: São Gonçalo, banda de música centenária, demonstra o quanto a cidade ainda preserva suas expressões culturais.

Cristo tem sido referência e principal incentivador de jovens artistas locais. Sua casa, além de ateliê, é o ponto de encontro para as reuniões e produções artísticas. Músicos, poetas, cantores e instrumentistas bebem na fonte de conhecimento e acolhimento deste sertanejo. Sua casa é um espaço de acolhimento e encontros artísticos.

Cristo é a voz e inquietação do movimento cultural que deseja mostrar sua arte. Mesmo sem apoio do poder público, a arte resiste. O artista plástico diz que busco uma leitura o conhecimento para compreender a linguagem dos jovens. Foi lendo filósofos gregos incentivado pelos garotos, livros de várias áreas a chave para a fruição do diálogo e encontro entre as gerações e para produção artística.

Uma arte que traduz a memória local

Apesar de criado na zona urbana, sempre teve forte atração pela zona rural do município. Conversar com as pessoas para ouvir as histórias, observando e guardando os tipos humanos. Foi tendo contato com a diversidade humana e guardando na memória esses personagens do sertão que Cristo foi compondo um imaginário que alimenta e se expressa na sua arte. É um artista extremante ligado as suas origens. Sua arte expressa a forte relação que possui com o povo do sertão. Cristo nos mostrou algumas de suas peças: O índio, peça é uma confeccionada em imburana eco louco, outra peça que está sendo finalizada. A genialidade deste artista ainda espera o devido reconhecimento.

O processo de criação é gestado pela mais profunda intuição elevada à materialidade da vida, e tem suas formas acabadas nas vivências do seu ateliê. É o fantástico, o gênio, o abstrato, a materialidade, e sobretudo suas relações com as pessoas ao seu redor. Outra criação de Cristo são máscaras, parte de um dos seus trabalhos seriais. São peças criadas que tem suas formas e conceituação acabadas no próprio contato com pessoas.

Compartilhe:

Comente no Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *