quinta-feira, 02 de julho de 2020

Notícias

In:

Para IIF, alta do déficit é ‘desafio’ para emergentes

Em relatório divulgado ontem, o Instituto de Finanças Internacionais (IIF, na sigla em inglês) afirmou que o aumento dos déficits fiscais de economias emergentes vai representar um “desafio de financiamento” para esses países. O IIF cita o Brasil, além da África do Sul e da Turquia. No caso brasileiro e da África do Sul, a entidade diz que os bancos centrais podem ter de “auxiliar” na política fiscal. Em relação a Turquia, a avaliação é que os bancos privados devem financiar o déficit, com participação “limitada” do BC local.

O IIF acrescenta que os déficits fiscais devem aumentar “bruscamente”, na medida em que a pandemia vai conter a receita tributária e criar necessidades temporárias de gastos extras. No Brasil, a previsão da entidade é de déficit de 13% do Produto Interno Bruto (PIB).

Cortisona
Em live organizada pelo banco BTG Pactual, o ex-ministro da Fazenda Pedro Malan disse que vê um excesso de otimismo nas previsões de organismos internacionais, como o Fundo Monetário Internacional (FMI), e também de parte do mercado de uma recuperação na forma de “V” após a pandemia do coronavírus.

Já o economista Armínio Fraga, o ex-presidente do Banco Central (BC), disse que os mercados estão neste momento otimistas com o que chamou de “cortisona monetária”, em referência à injeção de liquidez feita em coordenação pelos maiores bancos centrais do mundo.

“O mundo está um pouco animado demais, dopado por essa cortisona”, afirmou ele.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Autor: Gabriel Bueno da Costa, Francine de Lorenzo, Eduardo Laguna e André Ítalo Rocha
Copyright © 2020 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Compartilhe:

Comente no Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com