quinta-feira, 13 de agosto de 2020

Notícias

In:

Programa Estadual de Barragens Subterrâneas beneficiará pequenos agricultores do Semiárido

Por Assessoria

Apresentação do mapa das áreas potenciais

O Governo de Alagoas lançou o Programa Estadual de Barragens Subterrâneas na manhã desta quarta-feira, 11. O objetivo é aumentar a oferta de água para o consumo humano, animal, irrigação e a segurança alimentar nas regiões mais secas. Durante a solenidade, no Palácio República dos Palmares, em Maceió, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa – apresentou o Mapa Generalizado de Áreas Potenciais para a Construção de Barragens Subterrâneas, estudo que subsidiará o programa. Alagoas é o primeiro estado do semiárido brasileiro a realizar este tipo de zoneamento.

O lançamento do programa aconteceu pouco mais de um ano após a Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Alagoas – Faeal – iniciar uma ampla discussão, com diversos entes públicos, sobre a necessidade da construção de barragens subterrâneas para garantir o sustento e a produtividade de pequenos produtores rurais e seus familiares.

A ideia do programa estadual surgiu a partir do exemplo do Seu Dedé, agricultor do município de São José da Tapera que construiu a própria barragem e hoje produz mais de 90 tipos de plantas, e de um projeto-piloto realizado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural – Senar Alagoas – em parceria com o Sebrae. Por meio do programa Sertão Empreendedor, as duas instituições construíram uma barragem subterrânea a baixo custo e capaz de abastecer até cinco famílias, o ano inteiro.

Álvaro Almeida: “Nosso sentimento é de dever cumprido”

“Quando percebemos o potencial dessa tecnologia para o desenvolvimento socioeconômico do Estado, passamos a provocar as instituições e agentes públicos para a construção de um grande programa capitaneado pelo Governo. Fomos à Embrapa Solos, em Recife, e descobrimos que havia um projeto de mapeamento pioneiro e importante para a definição das áreas de construção das barragens, mas os estudos corriam o risco de interrupção por conta dos cortes nos recursos federais. Articulamos o apoio do Sebrae, o mapeamento foi concluído e, hoje, com o lançamento do programa estadual, o nosso sentimento é de dever cumprido”, comemora o presidente da Faeal, Álvaro Almeida.

Segundo o secretário de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Fernando Pereira, a expectativa é construir 200 barragens subterrâneas por meio do programa. “Desta forma garantiremos água para o plantio e o rebanho, e contribuiremos para que o produtor permaneça no campo, gerando emprego e renda nos municípios. Faremos deste projeto uma referência para todo o Nordeste”, avalia.

A deputada estadual Fátima Canuto também participou da solenidade. Ela foi a propositora da sessão especial em que a necessidade da elaboração do programa estadual foi debatida. “Levei esse tema para a Assembleia Legislativa por entender que ele precisava ser tratado, já que é de suma importância para o nosso estado. Debatemos assuntos como a manutenção, construção e funcionamento das barragens. Vi que muitas pessoas desconheciam o tema e se encantaram quando souberam dos benefícios das barragens subterrâneas e do quanto elas podem mudar a vida de várias famílias. Fiquei feliz de ter sido propositora de uma sessão especial que fortaleceu ainda mais o assunto”, comenta a parlamentar.

Secretário Fernando Pereira recebe mapa das mãos da chefe-geral da Embrapa Solos, Petula Ponciano

Primeira fase
O Programa Estadual de Barragens Subterrâneas terá início no primeiro trimestre de 2020, sob a tutela da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos – Semarh. Na primeira etapa, a previsão é construir 50 barragens e beneficiar cerca de 250 famílias, em 38 municípios do Agreste e Sertão. O investimento inicial será de R$10 milhões.

Conduzidos pela Embrapa Solos, os estudos que resultaram no Mapa Generalizado de Áreas Potenciais para a Construção de Barragens Subterrâneas embasarão as ações do programa estadual. Mais de 12 mil km² foram mapeados, a partir de uma análise multicritério, com cruzamento dos parâmetros solo, clima, relevo e geologia. Para aferir as informações do mapa, os pesquisadores fizeram expedições de validações em campo, por microrregião. O trabalho contou com a participação de agentes de desenvolvimento e agricultores locais.

“O zoneamento das áreas é um trabalho minucioso, exaustivo e é muito interessante ver como o Governo do Estado priorizou essa ferramenta que dá base para a estruturação de políticas públicas e já com o lançamento de uma política que realmente fará a diferença para a região do Agreste e Sertão de Alagoas”, observa a chefe-geral da Embrapa Solos, Petula Ponciano.

A solenidade também contou com a participação do secretário de Estado da Agricultura, Pecuária, Pesca e Aquicultura, Silvio Bilhões; do superintendente regional do Ministério da Agricultura, Pesca e Abastecimento, Alay Correia; das deputadas estaduais Ângela Garrote e Jó Pereira; do superintendente do Sebrae Alagoas, Marcos Vieira; e do coordenador executivo da Articulação no Semiárido Brasileiro – ASA –, Albanir Vieira, entre outras autoridades.

Tags: ,,

Comente no Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *