quarta-feira, 21 de novembro de 2018

Blogs

Um falso discurso

Como já se disse: no princípio era a Natureza. A sociedade é uma construção, um conjunto de circunstâncias herdadas, uma proteção contra o poder da natureza. Sem a sociedade nos sentiríamos a navegar no mar tempestuoso que a Natureza é como tal.

Uma das teses atuais difundidas pela agenda da globalização financeira é a volta idílica à natureza, uma vida desprovida dos descomunais esforços empreendidos pelos seres humanos, ao longo da sua existência, para vencer obstáculos tremendos em todos os ramos da sua atividade.

Dessa empreitada é que surgiram as ciências. A medicina, por exemplo, é consequência direta da luta da humanidade pela sobrevivência e hoje quando temos medicamentos e aparelhos formidáveis nas áreas da saúde, tudo resulta da criação das mulheres e homens em defesa da vida.

Em alguns momentos a ciência enfrentou mitos e resistências dramáticas para a sua afirmação; os que se dedicavam à cura das doenças foram taxados como bruxos, os que ousaram achar que a Terra era redonda, hereges, ou blasfemos. Muitos pagaram com a própria vida pela ousadia da descoberta nas atividades científicas e tecnológicas.

Hoje, em pleno século XXI, há uma forte onda, imposta por uma agenda do capital financeiro, no sentido de refrear o espírito das pessoas em relação aos avanços científicos, à condição da crença em um futuro melhor associado a uma sociedade menos desigual.

A agenda do capital rentista chega ao ponto de alardear catástrofes alimentares em função do crescimento populacional, espécie de alarmismo malthusiano retardado, porque a agricultura possui condições de prover as necessidades da humanidade. Já a fome, a pobreza, a degradação ambiental, como diz o ditado popular, aí as causas são outras, o buraco é mais embaixo.

Mais uma vez desejam frear, por interesses escusos, os avanços na ciência e na tecnologia. Seguramente não as nações que precisam do desenvolvimento, da superação das desigualdades sociais.

A agenda da globalização financeira também age contra os Países na área social. Busca sustar, como no Brasil, um projeto nacional unificador, fabricando polarizações, tempestades de ódios difusos, desviando-os das questões centrais, fundamentais à superação dos entraves que hoje dificultam os caminhos de uma nação próspera, desenvolvida e mais justa.

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com