quarta-feira, 26 de setembro de 2018

Blogs

A presunção da importância

Apesar do que prega alguns pensadores, como os da Administração, as pessoas não são importantes. Elas são meras ferramentas em diversos processos nos quais o resultado é mais importante que os prejuízos para atingi-lo. Presumimos que o homem é “muito importante” para justificar nossas inseguranças e falhas e para conseguirmos levantar pela manhã e dizer ao espelho que o trabalho fútil que só serve para prover, de forma precária, o alimento de todos os dias é essencial.

De essencial só temos a vida – e olhe lá de qual tipo de vida estamos falando.

Se olharmos atentamente para uma obra da construção civil veremos peões que podem ser substituídos a qualquer tempo, sempre que desejarmos que a obra avance mais rápido. Do engenheiro ao pedreiro mais preguiçoso – todos podem ser substituídos. Se entrarmos em uma sala de aula, veremos que o professor e os alunos podem ser substituídos sempre que a qualidade da educação daquele ambiente estiver ameaçada pelo fracasso.

Políticos, pais, pastores e padres, músicos e artistas, santos, policiais, gestores públicos – todos podem e são substituídos, por motivos banais e outros nem tanto.

E a máquina, a evolução da espécie, as obras, as políticas e os Estados seguem avançando sem que exista uma só pessoa importante o bastante para fazer o mundo parar, nem que seja por um segundo, ou que se torne célebre o suficiente para jamais ser esquecida.

A presunção da importância que atribuímos ao outro, e a nós mesmos, acaba sendo chamada de ego, amor próprio, valorização da alma humana. Expressões bonitas e refinadas para dizer que o homem é muito importante.

Importância, no entanto, é uma característica criada pela humanidade para que o labor diário e a ostentação de objetos fúteis, que movimenta a indústria e a economia global, não sejam em vão.

Até mesmo o elogio proferido pelo outro é uma mera afirmação da importância que tanto buscamos.

Presumimos então, que existe importância em tudo para que a nossa própria criação possa existir e, portanto, para que existamos.

As pessoas, olhando friamente para todos os processos sociais e fabris que jamais cessam, não são importantes e não são indispensáveis. Muito pelo contrário.

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com