segunda-feira, 24 de setembro de 2018

Blogs

Passaturo: fale-me das lembranças

Louco é aquele tempo em que a gente vai à Padaria e se apaixona pela atendente, só pelo sorriso cortês e obrigatório de toda atendente. É o instante fundamental em que a desilusão toma conta do corpo e da alma, seja depois de um concurso – literário ou de moda – seja depois de um amor que acaba inexplicavelmente.

Como eu queria de volta aquela inocência de criança

Queria de volta aquele tempo

Aquela “Velha Infância”

A gente cresce e perde

Aquela doçura, aquela ternura.

A pureza do riso sincero

Riso de criança que contagia.

Riso que alegra e traz calmaria.

Riso que traz certeza e uma pureza…

Que simplesmente se esvai!

O resto são propriedades naturais da vida, ou do momento exato em que de loucura todos se alimentam.

 

Como queria de volta aquela inocência de criança!

Sentir o gosto de um novo doce

Doce gosto de infância

Acreditar que “as nuvens são feitas de algodão…”

 

De repente pequeno; não tão de repente, grande.

Hoje o “algodão” é poluído.

Poluição que vem das desalmadas almas

Não gosto dos padrões criados,

Que nos roubam toda a magia

Que só a infância nos trazia…

Pode ser que, pequeno, a mulher do mercado não fosse tão simpática e não tivesse tido tão amáveis cortesias. Talvez, pequeno, os ciúmes dos amigos, das amigas, dos futuros relacionamentos e dos passados, fossem mera birra. Só talvez.

Ah, como queria de volta aquela inocência de criança!

Apagada pelo tempo

Pela mudança.

Pelo “Desenvolvimento”

Pela falta de “ESPERANÇA”.

 

Acontece que grande, já mais próximo do túmulo – só as crianças escampam do medo da morte -, a vida começa a acontecer.

 

Poesia Passaturo, de Naillys Araújo.

 

Mais em: http://rafaelarielrodrigo.blogspot.com.br/

Compartilhe:
Tags: ,,,,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com