quinta-feira, 23 de Maio de 2019

Blogs

O profeta nu

Após a queda da União Soviética, a hegemonia unipolar dos EUA, a adoção do dólar como moeda padrão, o Mercado financeiro passou a exercer o domínio global com suas políticas e agendas para as sociedades.

Nesse tempo surgiu Francis Fukuyama um nipo-americano, então um obscuro professor universitário. Suas teses foram divulgadas em escala mundial pelo Departamento de Estado dos EUA.

Suas concepções baseiam-se na supremacia do neoliberalismo econômico, inspirado por Friedrich Hayek, filósofo, economista austríaco pai do liberalismo moderno.

Fukuyama inventou a farsa do Fim da História com base na desregulamentação dos fluxos do capital financeiro, do rentismo louco. Afirmou que o mundo estava diante da paz definitiva, prosperidade econômica e social contínuas.

Mas o mundo nunca presenciou tantas guerras de agressão, genocídios, destruição de povos, nações. Ondas de milhões de refugiados, vítimas das intervenções imperiais na África, Oriente Médio, vagando pelos “corredores europeus para refugiados”, afogados aos milhares nos mares da Europa.

Em 2015 entidades internacionais anunciaram que pela primeira vez a fortuna dos 1% mais ricos superou a renda de 99% da população da Terra.

O “profeta” Fukuyama está nu. Mas insiste no Financial Times em suas concepções, porém acha que foram atingidas em cheio pela crise do “Mercado” em 2008.

Afirma que “a social democracia já havia aceitado há duas décadas o neoliberalismo reformista mas que errou em não indicar soluções econômicas (dentro da Nova Ordem, óbvio) aos trabalhadores, restringindo-se às políticas de identidades”.

Diz cinicamente que “a parte democrática das populações está se sublevando contra a parte liberal do sistema, sua legitimidade e regras”. O seu reacionarismo é contra outra ordem global multilateral com a China, Rússia, o Brasil etc.

Alerta o grande capital que há uma revolta dos povos contra a globalização do rentismo, que ele chama onda de “populismo” e “nacionalismo”: “a elite (financeira) deve atentar às vozes raivosas que gritam diante dos portões”.

Fukuyama, pessimista, vê o Outono da Nova Ordem mundial. É a mesma linha da grande mídia nativa monopolista. Cabe aos povos encontrar caminhos de superação a essa globalização financeira adversa à democracia, às conquistas trabalhistas, a soberania das nações.

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com