domingo, 21 de outubro de 2018

Blogs

Nossos Bens

Pintura: THE ARTIST AND HIS MODEL; Henri Matisse; .

Pintura: THE ARTIST AND HIS MODEL; Henri Matisse;
.

Quando  desci do ônibus, na ladeira da Catedral de Palmeira dos Índios, o motorista – e cobrador – olha para mim e pergunta se a Roberta autorizou que eu e minha companheira de viagem usássemos “passes” de numeração igual. Bom, não sabia quem era Roberta e nem por que ele interpelava-nos com tanto desgosto e fúria se os “passes” foram comprados com o meu dinheiro e, em tese, deles posso dispor da maneira que melhor me aprouver – rasgando-os, comendo-os ou distribuindo-os entre quem e como eu bem entendo.

Desci do veículo, arrastei minha companheira e lá fomos nós, terminar de subir a ladeira – essa ladeiras de Palmeira dos Índios não são para hipertensos!

O motorista-cobrador fez-me refletir sobre como tomamos posse daquilo que não é nosso e fazemos do objeto nossa propriedade particular. Às vezes o objeto é uma pessoa – com uma vida pregressa interessante e perturbadora. Outras vezes tomamos posse do nada, do marasmo, e fazemos dele nosso objetivo de vida.

E ainda tem vezes que nem tomamos posse de nada – tomam pela gente (e aí perdemos completamente o controle de nossa vida, ou pelo menos de nossos bens).

Creio que uma gama de problemas estão fora de nosso controle e querer e outros tantos pertencem-nos por natureza, como o direito à vida. As pessoas nunca nos pertencem – apenas passam por nossa vida e deixam alguma coisa boa, outra coisa ruim, com muita sorte e polimento, quem sabe, algum aprendizado.

Refleti um bocado. Ruminei um tantão e acabei concluindo que se dependêssemos dos outros seríamos mendigos em nosso próprio reino, implorando pelo nosso próprio ouro; seríamos ostras com pérolas roubadas.

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com