terça-feira, 11 de dezembro de 2018

Blogs

As mães sem moldura

maes_maio-460x250

Hoje de manhã, na Globo, o Padre Marcelo Rossi e outro, que não sei o nome, estavam realizando o missa de todos os domingos. Diziam, em homenagem ao Dia das Mães. Não tinha nada de diferente das missas dos domingos anteriores e, certamente, será igual aos que virão – o que no meu caso não é de estranhar porque minha sensibilidade não é muito apurada no tocante ao ritual das missas.

Ao longo do dia, as redes sociais foram transformadas em álbum de fotografias e mensagens, algumas um tanto falsas, preciso lembrar.

O que ninguém lembrou, vivendo a mesquinhez da própria vida (que se fôssemos levar os princípios cristãos a sério estaríamos em grave delito), foi das outras mães.

No México, na atual ditadura do Presidente Enrique Peña Nieto, mais de vinte e oito mil estão desaparecidos no que se pode chamar de “ditadura democrática de Nieto”. As mães desses desaparecidos jamais são mencionadas. Ainda no México, Peña Nieto é responsável pelo desaparecimento, e morte, de 43 secundaristas que lutavam pela melhoria na qualidade do ensino mexicano.

Essa mães, sofrendo o peso da história latinoamericana, jamais são lembradas.

No Equador, o pequeno país na costa do Pacífico, depois dos recentes terremotos, não há mães e nem filhos simplesmente porque não há dias, comemorações e, em muitos casos, corpos a serem velados.

Essas mães jamais são lembradas.

Em 1982, no discurso na cerimônia de premiação do Nobel de Literatura, Gabriel García Márquez disse:

 

“Numerosas mulheres presas grávidas deram à luz em cárceres argentinos, mas ainda se ignora o paradeiro e a identidade de seus filhos, que foram dados em adoção clandestina ou internados em orfanatos pelas autoridades militares.” (Márquez, Gabriel García. A Solidão da América Latina. Estocolmo; 1982)

 

E ainda hoje se ignora essa realidade, que o Brasil também compartilha.

Essas mães, que venceram a ditadura, jamais são lembradas.

Por todo o continente americano, a solidão da qual Márquez falou continua latente e fazendo vítimas, cujas mães não apenas são ignoradas como sepultadas sob pilhas de palavras vazias.

É dia das mães, um seletivo dia, para quais mães?

 

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com