quarta-feira, 19 de setembro de 2018

Blogs

Nó górdio

O Brasil encontra-se diante de questões complexas que estão na raiz dos nossos grandes desafios quanto ao futuro e às intricadas circunstâncias da realidade financeira internacional.

Uma dessas é a crise capitalista global de 2008, o estouro da bolha financeira nos Estados Unidos, em que um dos fatores primordiais foi a quebradeira dos chamados bancos de investimentos, repassada às finanças internacionais, alastrando-se como uma praga às economias mundiais via Mercado rentista.

Esse Mercado rentista adquiriu em algumas décadas grande força hegemônica financeira, midiática, política, planetária, transformando as economias nacionais em verdadeiras reféns das suas movimentações de curto, médio ou longo prazo, cuja função essencial é a de um cassino para um reduzido grupo de sócios atentos às debilidades internas das nações ou mesmo forjadas por ele.

Não é possível dissociar as ações predatórias do rentismo de outra máquina poderosa, a grande mídia hegemônica global, cuja função central é propagar a versão uniforme sobre os acontecimentos, a versão, e até mesmo a contraversão dos fatos, criando artificial polarização social, entre os favoráveis e os contrários a certos fenômenos atuais.

É fato que o Mercado atua no discurso ideológico dominante, a agenda da atualidade, além da tentativa de apartar os povos e as nações daquilo que realmente importa aos seus interesses, as causas emancipadoras das grandes maiorias sociais.

O Brasil integrante de outra Ordem global multilateral como os BRICS é alvo de uma multiplicidade de desestabilizações cuja finalidade tem sido impedir sua autonomia, a ascensão a outro patamar da sociedade nacional.

O Mercado não é invisível, pelo contrário. Encontra-se ancorado em potências como os EUA. É útil refletir sobre a declaração de Putin, presidente da Rússia: a tentativa insana de destruição dos Estados nacionais tem levado a humanidade a guerras de rapina cruentas, crises econômicas brutais, flagelos sociais jamais vistos desde a 2a Guerra Mundial.

Ao Brasil, 7a economia mundial, de território, riquezas continentais, é vital atentar à realidade geopolítica em curso, retomar sob bases avançadas o desenvolvimento econômico, sustar as forças do rentismo, arquitetar um amplo leque de alianças sociais, políticas, em defesa da nação soberana.

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com