terça-feira, 17 de setembro de 2019

Blogs

Conheça o Sertão, a Caatinga, as Histórias e a trilha da Pedra Montada

Diante das chuvas que caíram no alto sertão de Alagoas a vegetação mudou completamente, saiu do cinza pro verde. Durante a Trilha da Pedra Montada pudemos ver o quanto a caatinga é rica com seu bioma.

Os umbuzeiros que ficam na reserva ecológica da serra da Pedra Montada estão carregados de umbus. O umbuzeiro ou jique é uma árvore de pequeno porte, pertencente à família das anacardiáceas, de copa larga, originária dos chapadões semiáridos do Nordeste brasileiro, que se destaca por fornecer sombra e aconchego.

Toda a reserva ecológica da serra da Pedra Montada, na zona rural de Água Branca/AL,  reconhecida pelo IMA, tem vários tipos de árvores, como angicos, umburanas de cheiro, umbuzeiros, ouricurizeiros e vários tipos de cactos.

No percusso até achegar ao cume da serra da Pedra Montada, encontramos muitos tipos de rochas e uma vegetação de caatinga com muitas variedades de pássaros e tipos de plantas.

O acúmulo de rochas tornou-se numa parede que também serve como reservatório para acumular água das chuvas que caem na região.

A vegetação de Alagoas é marcada pelo clima e solo predominantes em cada região. No litoral, mangues e lagoas se sobressaem na paisagem alagoana – atribuindo nome ao estado, inclusive. Já no agreste, resquícios de Mata Atlântica podem ser encontrados em meio à transição entre a vegetação litorânea e a caatinga.

No estado prevalecem dois tipos de climas: o semi-árido e o tropical úmido. O clima do tipo semi-árido é típico do sertão alagoano, sendo predominante em grande parte do território. O clima tropical úmido ocorre na costa alagoana, onde os índices pluviométricos são mais elevados.

Foi por esse caminho que percorremos os 600 metros da trilha da Pedra Montada. A natureza nessa região deixa suas marcas e evidências de como a preservação ambiental é importante para o clima.

As rochas graníticas existentes na subida da serra da Pedra Montada, no distrito de Tingui, alto sertão de Alagoas, tem cravadas em todo seu contexto, linques – os purificadores do ar em plena caatinga.

De cima da serra do Craunã fizemos essa imagem diante da vista que tivemos do Morro do Padre. A trilha para chegar ao cume da serra levamos mais de 2 horas de caminhada, o paisagismo nos faz esquecer todo o cansaço físico.

O sertão e suas riquezas naturais

O topo da serra da Pedra Montada tem seus 596 metros de altitude, de cima conseguiu fazer essa imagem do morro do Padre e ao mesmo tempo a serra do Himalaia na redondeza da cidade de Água Branca.

Nesse ponto existia uma minação que secou devido a alta estiagem no sertão de Alagoas. O antigo Minador fica a 475 metros de altitude na serra do Craunã. Como choveu no dia anterior, dentro da caatinga a temperatura estava na casa dos 30 graus centígrados.

O cupinzeiro é um aglomerado de terra e outros resíduos, edificado pelos cupins, constituindo o seu ninho. Os cupins são os grandes construtores do mundo dos insetos. Os enormes cupinzeiros da espécie africana Macrotermes podem medir 8 metros de altura e mesmo uma colônia média pode chegar a cerca de dois milhões de integrantes. As paredes dos cupinzeiros são feitas de partículas de solo retiradas pelos pequenos cupins operários e misturadas à saliva para formar uma substância dura semelhante ao tijolo, resistente a tudo, exceto a um predador persistente.

O Lajedo da Pedra Montada é uma rocha granítica há poucos metros do cume da Pedra Montada na serra do Craunã. Entre pés de angicos, ouricurizeiros, barrigudas, a rocha abre uma clareira no meio da reserva, lhe dando oportunidade para fazer belas imagens por vários ângulos…

Entre a vegetação de caatinga está o cemitério do centenário distrito do Tingui, zona rural do município de Água Branca. Por essa região Lampião aprontou as suas, deixando a comunidade atônita com as proezas dos cangaceiros sob a custódia de Virgulino Ferreira. Essa foto fiz de cima do Lajedo da Pedra Montada.

Uma pausa no Lajedo da Pedra Montada, nesse ponto já estávamos a mais de 500 metros de altitude. Contemplar a natureza, ouvir o cantar dos pássaros logo cedo da manhã, não tem preço.

Vejam as fotos

Compartilhe:

1 Comentário

  • Dinaldo Sales de Alencar disse:

    Parabéns pela matéria, adoro o sertão nordestino,no entanto sei que a cada dia a desertificação está acabando com o bioma caatinga, e pouco ou quase nada se faz para proteger o pouco que resta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com