sábado, 19 de outubro de 2019

Notícias

In:

A tarada da Jatíuca

Por Carlito Lima

Ninfômana, segundo Aurélio Buarque de Holanda, o maior dicionarista da língua portuguesa, é uma mulher que tem tendência patológica ao abuso do coito, à compulsão ao amor carnal, ao ato sexual. Doença também chamada de uteromania, furor uterino, ou seja, no popular, simplesmente uma mulher tarada.

Depois dessa explicação médica-científica, posso contar o caso da loura gostosa que está atacando homens desavisados durante as caminhadas noturnas na orla da Jatiúca. Mais de oito ocorrências foram constatadas e comprovadas nas últimas semanas. A notícia já se espalhou na cidade, e logo aumentou o número de homens andando no calçadão nas noites mornas da praia de Jatiúca. Não deixa de ser um incentivo à saúde e à qualidade de vida.

Para os que me acusam de mentiroso, de inventar histórias, provo o acontecido com o depoimento de um homem íntegro e honesto, Bolívar; mais um que caiu na esparrela da tarada da Jatiúca. Ele contou-me a história como de fato aconteceu. Ainda está atordoado, só pensa na maravilhosa noite que passou com a loura sarada e tarada, idade indefinida entre 40 e 50 anos, e disposição sexual de uma adolescente transbordante de hormônios.

Bolívar é trabalhador, proprietário de duas revendas de veículo seminovo. Toda manhã é o primeiro a chegar à loja, só sai depois das dezenove horas, ao encerrar o expediente. Vendedor nato, nenhum de seus empregados tem o carisma, o fascínio de convencer ao cliente como o patrão. Bem casado, dois filhos, forma uma família exemplar. Toda noite, ao retornar do trabalho por volta das sete e meia, veste um short frouxo, um velho tênis e uma camisa larga, GG, tamanho maior que o seu. Bolívar caminha diariamente dez quilômetros na orla da Jatiúca. Depois entra numa roda de conversa com amigos respirando a brisa gostosa da noite. Ao voltar para casa, toma banho, veste um pijama, assiste um pouco de televisão. Gosta de novelas. É competente, no mínimo, três vezes por semana faz amor com Manuelita, sua querida mulher. Resumindo, é um cidadão comum, de bem com a vida.

Semana passada Bolívar confidenciou-me: Ele caminhava à noite na orla da Jatiúca. Ao passar pela Barraca do Siri, uma senhora correndo devagar, aproximou-se e perguntou se podia acompanhá-lo na caminhada, tinha receio de ser assaltada. Ele, gentil, tranquilizou-a, informou que não conhecia algum caso de assalto naquelas bandas. E que seria um prazer sua companhia. Os dois caminharam juntos em direção à praia de Cruz das Almas conversando amenidades. Ela apresentou-se, era paulista, morando em Maceió, a cidade mais aconchegante que encontrou, amou as praias e o povo da terra. Ao caminhar pela ciclovia por trás do Hotel Jatiúca, a loura achegou-se mais perto, Bolívar sentiu o inebriante perfume. Retornaram, a conversa estava mais que animada, contaram piadas picantes e inteligentes. Ao passar diante de um belo edifício, a bela coroa convidou Bolívar a tomar um drink em seu apartamento. Segurou sua mão, perguntou: vamos?

Ao entrar na quitinete nosso herói foi despido de maneira brutal. A mulher arrancou-lhe o velho calção frouxo e beijou seu peito cabeludo. Surpreso com tanta energia da parceira, ele correspondeu com a virilidade de homem de 50 anos. A loura tarada puxou-o para cama. Amaram-se feitos dois animais. Os detalhes da peleja, Bolívar não me contou. Entre uma e outra refrega, ele teve descanso apenas enquanto tomava banho e se reabastecia de azuladinha oferecida pela anfitriã. Foi uma noitada de uísque e amor com a bela coroa. Já passava da meia noite quando Bolívar entrou em casa. Manuelita, deitada, sonolenta, perguntou por onde andava. Ele respondeu: “conversando com os amigos na orla”. Tomou um banho, vestiu o pijama, dormiu como um anjo. Sonhou no meio de um bacanal com muitas louras saradas, tatuadas e taradas. No dia seguinte acordou-se ainda com efeito da pílula, apreciou a esposa apenas de calcinha. Não teve dúvida, pulou por cima. Manuelita acordou-se feliz da vida com a energia do maridão.

Quando Bolívar soube de outros casos iguais com a loura tarada, ele, agora, encerra o expediente mais cedo, inicia sua caminhada noturna olhando para os lados, caçando a galega. Já a encontrou duas vezes e ficou ciúme quando a viu andando, acompanhada, uma vez com um vereador, outra vez com conhecido surfista. Ao passar, ela piscou-lhe o olho, enchendo-o de esperança. Bolívar não desiste, contou-me que, continua caminhando toda noite, procurando, tem esperança e certeza em encontrar a loura, desacompanhada.

Como chegou o verão, o Sol está forte queimando as costas, braços e pernas, decidi trocar minhas caminhadas matinais por caminhadas noturnas. Agora, também caminho toda noite pela orla da Jatiúca. Quem sabe?

Compartilhe:

Comente no Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com