sábado, 19 de outubro de 2019

Notícias

In:

Remoção rápida de óleo do Nordeste é essencial para evitar dano maior

Agir rápido e procurar culpados depois. Assim deve ser o enfrentamento de derrames de petróleo no mar, afirmam especialistas ouvidos pelo jornal O Estado de S. Paulo. O objetivo é evitar que o problema cresça e chegue às praias. O tempo é um fator-chave, avisam pesquisadores do setor, alarmados com a demora que marcou as ações oficiais no desastre que atingiu o litoral. Até agora, já foi identificado o poluente em pelo menos 139 pontos da costa, nos nove Estados do Nordeste.

“A grande questão é agir rápido, resolver o problema, não ficar buscando culpados. Isso pode ser feito depois”, afirmou Márcio Nele, professor de Engenharia Química do Programa de Pós-Graduação da Coppe, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). “Depois que a mancha se espalha, o problema aumenta muito, o óleo se mistura com a água do mar e com areia e fica mais viscoso, mais difícil de ser dispersado. Se chegar à praia, a situação é ainda mais grave.”

O Brasil dispõe de um Plano Nacional de Contingência. O planejamento determina o que deve ser feito de acordo com especificidades regionais e locais.

“Cada lugar tem as suas especificidades, suas particularidades”, ressaltou o coordenador do Programa de Pós-Graduação em Gerenciamento Costeiro da Universidade Federal do Rio Grande (Furg), João Luiz Nicolodi, citando correntes marítimas, ondas, tipo de praia e areia. “Há técnicas específicas para acidente com óleo de acordo com as especificidades.”

A limpeza de óleo derramado no mar pode ser feita de três formas diferentes, dependendo do volume vazado e da localização do acidente, conforme especialistas explicaram. Muitas vezes as técnicas são combinadas para um resultado mais eficiente.

Boias

Em um derramamento, a tendência do óleo é flutuar. No caso de vazamento de uma quantidade não muito grande de óleo, boias podem ser usadas. Elas servem para conter o líquido e facilitar sua retirada do mar. Nesta semana, porém, a falta dos objetos dificultou o uso dessas barreiras para impedir a chegada do poluente à foz do Rio São Francisco.

Em derramamentos de volume maior, são usadas embarcações específicas, equipadas com aparelhos capazes de aspirar o óleo da superfície do mar.

Produtos químicos

Em caso de acidentes de proporções ainda maiores, podem ser usadas substâncias químicas lançadas de aviões, chamadas de dispersantes. Elas transformam o óleo em gotinhas, mais fáceis de serem degradadas pelo meio ambiente. Outra substância química usada com muita frequência transforma o óleo em uma espécie de gel, mais fácil de ser recolhido.

Em geral, as substancias químicas são usadas quando o derramamento está em alto-mar, onde a densidade de espécies é menor e, portanto, o risco de impacto ambiental também. Quando o derramamento ocorre muito perto da costa, devem ser usadas bactérias, fungos e algas capazes de degradar a mancha de óleo com um impacto menor ao meio ambiente.

Remoção manual

Se o óleo chegar às praias, a única opção é mesmo a retirada manual, o que tem sido feito pelos técnicos ambientais nas praias nordestinas nas últimas semanas. Eventualmente, pode ser necessária a ajuda de tratores.

Questionado pela reportagem nesta quarta-feira, 9, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, afirmou que o governo federal tem atuado para conter os danos e remover o material que chega às praias.

Mais de 100 toneladas de borra de petróleo já foram recolhidas. O trabalho é de difícil execução porque o petróleo não avança sobre a lâmina d’água, mas no fundo do mar, até chegar ao litoral.

Autor: Roberta Jansen
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Compartilhe:

Comente no Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com