segunda-feira, 21 de outubro de 2019

Notícias

In:

Famílias marcam presença na Parada do Orgulho LGBT de São Paulo

Muitas famílias marcam presença neste domingo, 23, na 23ª edição da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo para apoiar filhos e amigos. “É a minha primeira vez. Eu era uma pessoa com muitos preconceitos. Meu filho me ensinou a ver a vida de outro jeito. Hoje estou aqui para apoiá-lo”, comentou Lourdes Fragoso, de 66 anos.

A transexual Vanessa Leite, de 30 anos, levou a mãe para a parada LGBT. “Minha mãe é uma mulher evoluída. Ela não é juíza de ninguém. E me apoia”, disse. Já Erundina Moreira, de 70 anos, mãe de Vanessa, retribuía a admiração da filha. “Tenho muito orgulho. Não admito que nenhum preconceituoso chegue sequer perto de mim”.

“Sou hétero, mas estou aqui pelos meus amigos. Vivemos um período de perseguição e violência contra a comunidade gay. Não vou soltar a mão deles. Mexeu com eles, mexeu comigo”, falou o engenheiro Hernandes Souza, de 32 anos.

A estudante Luciana Santos, de 22 anos, exibia uma camisa com a mensagem: “A única cura que eu quero é a do câncer”. Segundo ela, a política hoje obriga todo mundo a defender o óbvio: “A gente precisa lutar para explicar que homofobia é crime, que cura gay é um absurdo e que a terra é plana”, enumera.

Os vendedores que atuam na Avenida Paulista também se adaptaram ao evento. Canecas, chocolates e adereços com referências às cores do arco-íris estiveram em alta. Além disso, os próprios ambulantes se adaptaram. “Eu votei no Bolsonaro, mas não tenho nada contra ninguém. É preciso garantir o sustento da família”, disse o ambulante Jorge Amadeus, de 40 anos, que vendia adereços para a cabeça.

Balada

Depois dos primeiros discursos, a Parada ganhou ares de festa. Com a música alta, a Avenida Paulista e a Rua da Consolação viraram uma balada. “Dançar e beijar na boca também é político”, gritou um rapaz para a reportagem – que tentou, mas não conseguiu ouvir o nome dele.

No posto médico, na Paulista, a maioria dos casos de atendimento era decorrente de excesso de consumo de bebidas alcoólicas. A reportagem flagrou duas pessoas procurando postos policiais para reclamar de furto de celular. Até o momento, a polícia não apresentou um balanço das ocorrências, mas policiais dizem que a “impressão” é de muitos casos de furto de celular.

Atrações

A Parada conta com 19 trios elétricos e a participação de uma ex-integrante do grupo Spice Girls. Para esta edição, a atração mais aguardada é o show da cantora Melanie C, ex-Spice Girl. Também estão confirmadas Aretuza Lovi, Gloria Groove, Iza, Lexa, Luísa Sonza e MC Pocahontas.

Às 19 horas, um palco montado na Praça da República receberá shows. O tema deste ano é “50 anos de Stonewall – nossas conquistas, nosso orgulho de ser LGBT+”. Ele relembra a série de manifestações da comunidade LGBT contra batidas violentas da polícia de Nova York em um bar, o Stonewall Inn, no fim da década de 1960.

Autor: Gilberto Amendola
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Compartilhe:

Comente no Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com