sexta-feira, 14 de dezembro de 2018

Notícias

In:

Nomeação de novo chanceler faria sentido se vivêssemos na Idade Média, diz professor da UFABC

Por Assessoria

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) anunciou na última quarta-feira (14/11) o diplomata Ernesto Araújo como novo ministro das Relações Exteriores. Para Igor Fuser, professor de Relações Internacionais da Universidade Federal do ABC (UFABC), a nomeação do novo chanceler representa “uma ofensa ao Itamaraty” e só faria sentido se “vivêssemos na Idade Média”.

“Ernesto Araújo faz uma defesa surreal da ‘fé em Cristo’ como elemento norteador da política, seja lá o que isso signifique na prática. Sua indicação faria sentido se ainda vivêssemos na Idade Média, e não em pleno século 21”, diz Fuser.

Segundo o professor, “asneiras desse teor, misturadas com um antiesquerdismo patológico, no nível dos torquemadas mais delirantes do macartismo, constam publicadas em seu blog” e significam “exatamente o contrário de todo o pensamento de política externa que vem sendo construído pela diplomacia brasileira há mais de um século”.

O novo chanceler

Ernesto Araújo, que está há 29 anos na carreira diplomática, nunca comandou uma embaixada, apesar de já ter servido em Washington. O novo ministro, que fez campanha abertamente a Jair Bolsonaro, ocupa o cargo de diretor do departamento de Estados Unidos, Canadá e Assuntos Interamericanos do Itamaraty e assume a chancelaria no dia 1º de janeiro de 2019.

Segundo o jornal Folha de S. Paulo, o novo chanceler possui um blog onde fez campanha a favor do presidente eleito e chama o Partido dos Trabalhadores (PT) de “Partido Terrorista”.

Na página, o novo ministro afirma que quer  “ajudar o Brasil e o mundo a se libertarem da ideologia globalista”, a qual ele categoriza como “a globalização econômica que passou a ser pilotada pelo marxismo cultural”.

Em artigo publicado em 2017,  Araújo defende “uma visão do Ocidente” proposta por Donald Trump. Segundo ele, o presidente dos EUA “propõe uma visão do Ocidente não baseada no capitalismo e na democracia liberal, mas na recuperação do passado simbólico, da história e da cultura das nações ocidentais. (…) Em seu centro, está não uma doutrina econômica e política, mas o anseio por Deus, o Deus que age na história”.

Para Fuser, “se o novo chanceler quiser tornar realidade apenas 5% das ideias delirantes que defende, ocorrerá tamanha sucessão de catástrofes na diplomacia brasileira que ele não permanecerá no cargo mais do que dois meses”.

O professor ainda questiona a capacidade diplomática de Araújo em relação ao Mercosul e negociações comerciais com a China. “Dá para imaginar um personagem que parece um recém-chegado da Idade Média negociando acordos do Brasil com a União Europeia e com o Mercosul? Dá para imaginar essa criatura sentada à mesa com os diplomatas comunistas da China? Se ele tentar colocar em prática o que tem dentro da cabeça, as elites empresariais brasileiras vão intervir para restabelecer a normalidade no Itamaraty. E Araújo seguirá para alguma embaixada, em algum país católico, com uma linda catedral e um arcebispo de extrema-direita com quem ele possa compartilhar suas ideias e preconceitos, de preferência em latim”, diz Fuser.

EUA e Venezuela

Para o advogado internacionalista Dorival Guimarães, coordenador do curso de Direito do Ibmec de Minas Gerais, as ideias de Araújo parecem concordar com temas propostos por Bolsonaro durante campanha, como a aproximação com os Estados Unidos, críticas à Venezuela e a mudança da embaixada brasileira em Israel de Tel Aviv para Jerusalém.

Guimarães afirma que “há uma preocupação muito grande com relação à posição ideológica do diplomata indicado por Bolsonaro, justamente porque poderia indicar um alinhamento muito rápido, ou automático, com a política externa norte-americana. Isso porque Ernesto Araújo, que já viveu nos Estados Unidos, já manifestou em diversas vezes um apoio à política do governo Trump”.

“Segundo Araújo, Trump seria um líder de caráter mundial que representaria o ocidente na batalha contra extremismos religiosos, fazendo referencia tanto à questão do islamismo quanto, no âmbito político, no combate às iniciativas de esquerda”, destaca o advogado.

Guimarães também argumenta que uma aproximação contundente com Washington causaria “desconfortos” entre certas nações que possuem relações comerciais importantes com o Brasil, como a China.

“Essa aproximação mais intensa com os EUA pode representar uma mudança de percepção do Brasil por parte de outros países e parceiros econômicos do nosso país podem sinalizar certo desconforto com essa mudança. A China, por exemplo, nosso maior parceiro econômico, vê com certa desconfiança”, diz.

Na América do Sul, o advogado ressalta que os países vizinhos “podem temer que isso gere uma polarização e uma mudança de viés nas relações”, e espera que “o Brasil não perca o foco com seus parceiros do sul, dos BRICs e que possa manter um posicionamento de independência”.

“Se o caminho for esse [aproximação com os EUA], o Brasil intensificará as relações norte-sul, bilaterais, que são, é claro, um excepcional mercado consumidor, mas que, por outro lado, podem fazer com que o Brasil seja alinhado com o governo Trump. Existe sim essa preocupação”, conclui.

Com relação à Venezuela, Bolsonaro e seu chanceler dão indícios de que o Brasil assumirá a posição dos EUA no conflito.

Par o professor Fuser, “com Bolsonaro e seu chanceler americanófilo, com a cumplicidade do governo de extrema-direita da Colômbia e de outros atores internacionais, o Brasil se tornará ainda mais vulnerável às pressões de Washington para derrubar o governo do presidente Nicolás Maduro”.

“Os Estados Unidos estão dispostos a derramar até a última gota de sangue colombiano para pôr fim à Revolução Bolivariana e com o sangue brasileiro sua atitude não será diferente”, afirma o especialista.

Itamaraty

Segundo matéria publicada pela Reuters, a nomeação de Araújo causou uma reação negativa no Itamaraty. Fontes ouvidas pela agência de notícias afirmaram que houve “quebra de hierarquia e desrespeito à instituição”.

“Nunca um chefe de departamento, um cargo de terceiro escalão, foi alçado a chanceler”, avalia uma das fontes destacando que o novo ministro seria um diplomata “júnior” para ocupar o cargo.

A reportagem ainda destaca a preocupação de diplomatas com os posicionamentos muito próximos aos EUA. “Aos olhos do mundo, a política externa brasileira passará a ser comandada por um discípulo do trumpismo”, afirma uma das fontes.

Para Fuser, “Ernesto Araújo é o que em inglês se chama de ‘freak’, ou seja, um sujeito extravagante, adepto de ideias bizarras, aberrantes” e sua nomeação é “uma piada de mau gosto e uma ofensa aos diplomatas do Itamaraty e à sociedade brasileira em geral”.

Compartilhe:

Comente no Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com