terça-feira, 11 de dezembro de 2018

Notícias

In:

Maioria das Bolsas da Europa fecha em queda com foco em comércio e emergentes

Os mercados acionários da Europa fecharam em queda nesta terça-feira, 4, em mais um dia de tensão com as tratativas comerciais entre os Estados Unidos e seus parceiros, além da preocupação em meio ao risco de contágio com a crise cambial em economias emergentes. A única exceção foi a Bolsa de Milão, que registrou alta diante de indicações que o orçamento do próximo ano fiscal não vai exceder o teto estipulado pela União Europeia (UE). O índice Stoxx-600 recuou 0,70% nesta sessão, aos 379,83 pontos.

Em Paris, o índice CAC 40 registrou queda de 1,31%, aos 5.342,70 pontos, enquanto o DAX, de Frankfurt, recuou 1,10%, para 12.210,21 pontos. O Ibex 35, da Bolsa de Madri, fechou estável, aos 9.376,30 pontos, enquanto Lisboa teve queda de 0,76%, para 5.368,78 pontos.

O cenário de cautela em relação ao comércio se impõe em meio às expectativas pelas negociações entre os EUA e o Canadá, que continuam nos próximos dias. Apesar de não terem firmado acordo na última semana, ainda existe a possibilidade de que Ottawa se junte ao tratado selado entre americanos e mexicanos. Ao mesmo tempo, investidores monitoram possíveis novas tarifas de Washington sobre US$ 200 bilhões de produtos chineses, que poderiam ser impostas ainda esta semana.

A situação entre os emergentes também contribui para pressionar as bolsas europeias, mesmo que os bancos centrais da Argentina e da Turquia atuem para tentar controlar a crise financeira e cambial nos países.

Enquanto investidores monitoram o risco de contágio a outras economias, são aguardadas mais novidades sobre o apoio do Fundo Monetário Internacional (FMI) ao país vizinho, já que ocorre nesta terça um encontro entre o ministro da Fazenda, Nicolas Dujovne, e a diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde.

Em Londres, onde o índice FTSE MIB fechou em queda de 0,62%, aos 7.457,86 pontos, o Brexit continua no centro das atenções. Em discurso ao Comitê do Tesouro do Parlamento britânico, o presidente do Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês), Mark Carney, tentou minimizar os impactos de uma saída da UE sem um acordo.

Além de ressaltar que a instituição está comprometida a fazer “todo o necessário” para que o sistema financeiro do Reino Unido mantenha seu vigor mesmo sem um entendimento entre o país e o bloco, destacou que um cenário com acordo ainda é o mais provável.

A exceção neste dia de negociações foi a Bolsa de Milão, impulsionada em meio a relatos de que o ministro do Interior e vice-primeiro-ministro da Itália, Matteo Salvini, teria sugerido que os gastos ficariam levemente acima de 2% do Produto Interno Bruto (PIB) no orçamento de 2019, bem abaixo do teto para o endividamento público estipulado pela UE, de 3%, de acordo com fontes de seu partido Liga Norte. No domingo, Salvini chegou a dizer que seu país poderia “tocar gentilmente, sem superar” o teto estabelecido pelo bloco.

Autor: Monique Heemann
Copyright © 2018 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Compartilhe:

Comente no Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com