sábado, 24 de agosto de 2019

Notícias

In:

Comércio pesa e bolsas europeias fecham predominantemente em queda

As principais bolsas da Europa encerraram em queda o pregão desta quinta-feira, 19, pressionados por renovadas tensões em relação à batalha empreendida pelos Estados Unidos contra parceiros comerciais. O índice pan-europeu Stoxx 600 terminou em baixa de 0,23%, aos 386,18 pontos.

O temor relativo ao embate comercial aumentou durante esta quinta-feira. Logo cedo, a comissária da União Europeia para o Comércio, Cecilia Malmström, enfatizou em discurso nesta quinta-feira que “não há vencedores” em uma guerra comercial, além de advertir que tarifas dos Estados Unidos sobre carros europeus seriam “um desastre”.

A fala de Malmström vem um dia depois de a Comissão Europeia impor medidas de salvaguarda provisórias sobre as importações de produtos de aço dos EUA e alertar para a possibilidade de retaliação caso haja tarifas contra automóveis.

Em resposta, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, usou a conta dele no Twitter para criticar a multa imposta ontem pela União Europeia ao Google. Segundo o líder americano, o bloco “se aproveita dos EUA”, o que ele pretende reverter em breve. “Eu disse a vocês. A União Europeia acaba de impor uma multa de US$ 5 bilhões a uma de nossas grandes companhias, o Google. Eles realmente se aproveitam dos EUA, mas não por muito tempo”, afirmou.

O aumento do tom provocou uma onda de fuga de papéis de risco. Papéis expostos ao cenário global, como grandes indústrias e exportadoras, foram destaques das perdas.

Em Frankfurt, o grupo alemão Thyssenkrupp perdeu 1,44%. A montadora francesa Renault recuou 0,60%. E o conglomerado italiano CNH Industrial recuou 0,58%.

O índice DAX terminou em 12.686,29 pontos (-0,62%), a de Paris recuou para 5.417,07 pontos (-0,56%) e a de Milão cedeu para 21.885,40 pontos (-0,40%).

No Reino Unido, o dia foi de tensão em relação ao Brexit. A União Europeia declarou que se não houver acordo até 30 de março, a legislação do bloco simplesmente deixa de ser aplicada ao país, o que pode prejudicar os negócios. A declaração se somou ao recuo inesperado nas vendas no varejo britânico e contribuiu para a baixa da libra em relação ao dólar.

Com a libra mais fraca, as exportadoras foram beneficiadas em Londres, ajudando o FTSE 100 a terminou com alta de 0,10%, aos 7.683,97 pontos. Os papéis da fabricante de bens de consumo Unilever saltou 3,03%.

A Bolsa de Madri terminou em 9.721,10 pontos (-0,33%) e a de Lisboa recuou para 5.617,80 pontos (-0,10%).

Autor: Mateus Fagundes
Copyright © 2018 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Compartilhe:

Comente no Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com