sábado, 17 de novembro de 2018

Notícias

In:

Juros fecham em baixa com queda do dólar e anúncios do BC, CMN e Tesouro

Os juros futuros fecharam a sessão regular da sexta-feira, 15, em queda firme, nas mínimas do dia em parte dos contratos. As taxas estiveram em baixa desde a abertura, mas ampliaram o ritmo ao longo da tarde, na medida em que o dólar acelerava as perdas e batia mínimas ante o real. O principal vetor para os negócios na renda fixa foi a reação aos anúncios feitos pelo Banco Central (BC), Conselho Monetário Nacional (CMN) e Tesouro Nacional, na noite de quinta-feira.

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2019 fechou na mínima de 7,300%, de 7,609% no ajuste da quinta-feira; e a do DI para janeiro de 2020 caiu de 9,37% para 9,04%. A taxa do DI para janeiro de 2021 terminou em 9,98%, mínima, de 10,35% no ajuste anterior. A taxa do DI para janeiro de 2023 recuou de 11,66% para 11,35% e a do DI para janeiro de 2025, de 12,74% para 11,98%.

O BC afirmou que, ao longo da próxima semana, continuará com leilões de swap cambial (dinheiro novo) na próxima semana, quando estima oferecer US$ 10 bilhões, o que trouxe maior tranquilidade aos mercados de câmbio e juros.

Em complemento, o Tesouro anunciou que manterá a estratégia de leilões extraordinários de compra e venda de títulos, ofertando, além das Notas do Tesouro Nacional – Série F (NTN-F), também Notas do Tesouro Nacional – Série B (NTN-B) e Letras do Tesouro Nacional (LTN). Além disso, cancelou os leilões tradicionais de LTN e NTN-F, mas manteve o leilão de Letras Financeiras do Tesouro (LFT).

Por fim, o CMN decidiu antecipar o prazo para a extinção do prazo médio de repactuação mínimo (PRC) para os títulos de renda fixa dos fundos de investimento especialmente constituídos (FIE) de seguradoras e entidades abertas de previdência complementar. Pela nova regulação, as entidades ficarão livres da exigência a partir de 30 de agosto de 2019, ante março de 2020 anteriormente.

A decisão alivia os prêmios na curva, na medida em que, para se enquadrar ao PRC, as entidades compravam papéis prefixados de prazo longo, o que as obrigava a travar o risco no mercado de derivativos de juros. Essa proteção é feita por meio de compra de taxa do DI, o que acaba por pressionar a inclinação da curva.

Pouco depois das 16h30, o real, entre as principais moedas emergentes, era destaque de alta. O dólar à vista caía 2,26%, aos R$ 3,7235.

Autor: Denise Abarca
Copyright © 2018 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Compartilhe:

Comente no Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com