sábado, 22 de setembro de 2018

Notícias

In:

Servidores de Maceió fazem paralisação por 48h

Por Redação com Sindspref-AL Comunicaçã

assembleia2105

O Sindicato dos Servidores Públicos do Município de Maceió (Sindspref) definiu uma paralisação com duração de 48h durante a Assembleia Geral realizada no Clube Fênix Alagoana na manhã desta segunda-feira (21). A paralisação que acontece nos dias 28 e 29 deste mês, foi a maneira encontrada pelos servidores municipais para chamar atenção sobre a falta de bom senso nas negociações com a Prefeitura de Maceió, que não quer celebrar a reposição de 15,41%, que é referente aos anos de 2015, 2016 e 2017.

De acordo com o presidente do Sindspref, Sidney Lopes, a gestão do prefeito Rui Palmeira aumenta os impostos, reajusta os valores anualmente nos contratos de terceirizados, mas não quer melhorar o salário dos seus funcionários. “O que estamos pedindo é um direito de todo trabalhador, além de uma necessidade. Pois as despesas para manter uma família são bem maiores do que em 2015. Ainda estamos demonstrando boa-fé perante os gestores do município ao realizar uma paralisação em vez da Greve Geral”, explica.

Após todas as tomadas de decisões, o grupo seguiu a pé até a Prefeitura de Maceió, para falar diretamente com o prefeito, mas quem os recebeu foi o seu assessor, Alexandre Mata, que se comprometeu em marcar uma reunião o mais rápido possível com o chefe do executivo municipal. Segundo o vice-presidente do Sindspref, Thiago Acioly, até então não houve uma reunião com o prefeito, apenas com seus secretários. “Durante Assembleia, percebemos a necessidade de uma reunião direta com prefeito de Maceió, já que não tivemos nenhuma proposta coerente de seus representantes”, esclarece Thiago.

A Greve Geral poderá ser decretada no dia 5 de junho, quando uma nova Assembleia Geral deve acontecer, caso a reunião com o prefeito Rui Palmeira não ofereça uma proposta viável.

 

Última Greve

Apesar do Sindispref cumprir todos os dispositivos legais para a Greve Geral realizada em junho de 2017, o Pleno do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL) decretou sua ilegalidade. O advogado do sindicato, Alfredo Barros, explica que na visão do TJ/AL o sindicato estava fazendo reivindicações válidas e que cumpriu todos os requisitos exceto um, que foi o de comunicar a sociedade sobre a data da greve.

“Apesar de constar nos autos dois pareceres do Ministério Público no sentido de entender que houve o cumprimento integral de todos os requisitos para deliberação da greve e de comprovar a publicação de matérias jornalísticas e eventos como carreatas para divulgar o movimento; o TJ/AL entendeu que a comunicação teria que ser mais ampla e que a população foi pega de surpresa”, esclarece Alfredo.

De acordo com Sidney Lopes este ano a Greve Geral terá atenção redobrada aos detalhes das imposições legais, para que o servidor não seja de nenhuma forma prejudicado. “Todos os requisitos estão sendo feitos para que o nosso direito ao reajuste salarial não seja de nenhuma maneira impedido pelos poderes executivo ou legislativo”, observa o presidente do Sindspref.

Compartilhe:

Comente no Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com