sexta-feira, 16 de novembro de 2018

Notícias

In:

Os traficantes do ‘ouro’ da Petrobras

Por Redação com El País Brasil
Operação policial contra a extração ilegal de óleo da Petrobras. (Foto: Polícia Civil)

Operação policial contra a extração ilegal de óleo da Petrobras. (Foto: Polícia Civil)

A cada vez que caía a noite em Duque de Caxias, na região metropolitana do Rio, um caminhão-tanque, às vezes disfarçado de caminhão-pipa, atravessava uma estrada de terra para entrar em um sítio, com uma casa abandonada e sem mais testemunha que a de um caseiro que plantava alface. Uma vez dentro, o motorista puxava uma mangueira preta escondida sob a vegetação, a encaixava num ponto de extração ilegal e abria a chave que trazia de um duto da Petrobras, a 1,5 quilômetro dali, milhares de litros de petróleo cru. A operação, contínua e supervisionada por homens armados com espingardas, constituía um enorme negócio para um grupo de milicianos e seu controle lhes custou a vida.

Entre os beneficiários desse esquema de roubo de óleo estavam Sérgio da Conceição de Almeida, o Berém do Pilar, pré-candidato a vereador pelo PSL e conhecido no seu bairro como “o cara que cuidava da segurança”, Denivaldo Meireles, segurança privado e com vínculos com a milícia, e Leandro da Silva Lopes, pré-candidato a vereador pelo PSDB e com duas passagens na polícia por suspeita de homicídio. Os três foram mortos por homens encapuzados com dezenas de tiros entre junho e julho deste ano, engordando a lista de políticos assassinados na Baixada Fluminense nos últimos meses. Com eles – tirando Denivaldo que não tinha filiação partidária –, são mais de uma dezena os políticos ou candidatos mortos na região, execuções que não necessariamente têm uma motivação eleitoral –há dois crimes passionais –, mas que evidenciam os perigosos e aceitos vínculos entre o crime e a política local.

A investigação da Polícia Civil aponta agora que quem os matou não estava tão incomodado com a ascensão eleitoral das vítimas, mas sim com o nutritivo negócio que gerenciavam. “Não mataram por serem candidatos. Há um outro ingrediente que é uma bomba relógio em época de eleição: dinheiro. E isso mata gente”, explica o delegado Giniton Lages, da Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense, responsável pela investigação.

Os métodos usados pelos três supostos milicianos envolvidos não eram para amadores. Eles tinham conseguido furar sem causar vazamentos um duto de 24 polegadas e interligar uma segunda tubulação clandestina por onde passavam 20.000 litros de petróleo por hora e que se estendia por 1,5 quilômetro até chegar ao sítio onde carregavam os caminhões. A sofisticação do esquema aponta, segundo suspeita a polícia, que os criminosos contavam com a ajuda de funcionários ou ex-funcionários da petroleira com conhecimentos específicos da empresa e que forneciam informação privilegiada. Uma vez extraído, o petróleo podia ter vários usos comerciais que estão sob investigação: de combustível para caldeiras industriais e da indústria naval à matéria prima para refinarias clandestinas. Há informações de que os caminhões viajavam até São Paulo, o que ampliaria a rede comercial dos criminosos muito além da Baixada Fluminense.

A extração ilegal de combustível ou seu desvio não são práticas novas. Tanto que os que lucram com elas já são conhecidos há cerca de uma década como a “máfia do óleo” ou a “máfia do combustível”. A juíza Daniela Assumpção Barbosa, titular da 2ª Vara Criminal de Duque de Caxias e responsável pela fiscalização de campanhas no Estado em 2014, vai além e observa os laços dos criminosos com os pleitos eleitorais da região. “Nós temos candidatos ao pleito que têm envolvimentos na máfia do combustível há anos. Eles dominam os terrenos onde estão as bicas, têm depósitos de caminhões e travam entre eles uma guerra de domínio desses territórios e negócios”, explica.

No mesmo dia em que a polícia executou a megaoperação que terminou com o ponto de extração ilegal, no última dia 8, uma ligação anônima informava a existência de um outro ponto de extração de óleo em Nova Iguaçu, a 22 quilômetros dali. A perfuração naquele lugar, com capacidade de extração ainda maior, era, no entanto, muito mais rudimentar, mas apontou que o roubo de combustível da Petrobras, efetivamente, pode estar espalhado ao longo de toda a malha de tubulações da companhia. “Tudo indica que a bica de Nova Iguaçu pertence a uma outra milícia instalada na cidade. Após estourarmos a bica de Duque de Caxias percebemos uma espécie de efeito cascata. Impactados pela operação policial, denunciantes anônimos apontam a existência de outros pontos de extração para prejudicar o negócio dos competidores. Não tenho dúvida de que é um esquema que tem uma rentabilidade absurda”, explica o delegado Lages.

A Petrobras e a Transpetro, responsável pela logística de transporte dos produtos da companhia, se negaram a dar informações sobre o caso. Afirmaram apenas que estão colaborando com a investigação e tentaram tranquilizar os investidores ao comunicar, em um esclarecimento enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), que o roubo não supõe “valor material” que impacte seus resultados operacionais e financeiros.

A segunda etapa da investigação segue agora o rastro do dinheiro na procura dos mandantes e executores dos assassinatos dos três milicianos, que por sua vez podem ter também ligações políticas. A investigação dos homicídios mexe, portanto, com um outro vespeiro: o dinheiro do crime está beneficiando campanhas eleitorais na primeira eleição em que as doações de empresas estão proibidas por lei? A juíza não tem muitas dúvidas: “A milícia na Baixada sempre apoiou candidaturas”, afirma. “É de estranhar em Duque de Caxias que em uma campanha municipal onde você tem mais candidatos que em uma eleição nacional quase não haja propaganda nas ruas. Ai você pensa: ‘Como esses candidatos pretendem chegar à população?’ Não é crível que pretendam chegar através de alguns segundos na tevê. Quando você não vê propaganda e o financiamento legal diminuiu [23% a menos no Estado do Rio, segundo dados deO Globo], você começa a entender que alguns estão fazendo sua campanha com recursos ilícitos, como a compra de votos, financiada, na maioria dos casos, pelo crime”, diz Barbosa.

“Dois dos assassinados eram pré-candidatos a vereador. Usariam esse dinheiro para bancar suas candidaturas?”, pergunta-se o delegado. “A investigação vai nos dizer, mas há indícios de que sim”.

Os traficantes do ‘ouro’ da Petrobras

 Na Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense se trabalha com este mapa colorido como um quebra-cabeça. Nele aparecem 13 assassinatos, ocorridos de novembro de 2015 até hoje, que mostraram indícios de motivação política. As investigações, aos poucos, estão desvendando os detalhes de cada uma das mortes – as duas últimas aconteceram durante os Jogos Olímpicos – embora nenhum dos casos tenha sido fechado ainda. Mais uma vez, os limites entre a atividade política dos candidatos e sua convivência com o crime são difusos.

Das 13 vítimas, 11 tinham vínculos partidários, ou como no caso de Manoel Primo Lisboa, morto em junho em Nova Iguaçu, vontade demonstrada de se candidatar. Nem Denivaldo Meireles, um dos integrantes da quadrilha que roubava petróleo, nem Nelson Gomes Souza, que era ex-vereador e primeiro suplente de São João de Meriti e foi vítima de uma briga de trânsito, foram considerados alvos políticos pela polícia.

Entre as 13 vítimas, havia cinco envolvidas com as atividades da milícia: Leandro Da Silva Lopes, pré-candidato a vereador pelo PSDB e com duas passagens na polícia por suspeita de homicídio, o pré-candidato pelo PSL Sergio Da Conceição De Almeida Junior (Berém do Pilar), Denivaldo Meireles Da Silva, o PM e candidato pelo PCdoB Júlio Cesar Fraga Reis e Oswaldo da Costa Silva (Ratinho), candidato a vereador pelo PDT.

Em outros três casos de pré-candidatos – Marco Aurélio Lopes, Aga Lopes Pinheiro e Anderson Gomes Vieira (Soró) –  trabalha-se com a hipótese de que as vítimas, como lideranças comunitárias, tinham incomodado o tráfico proibindo a venda de drogas em seus bairros. Manoel Primo Lisboa, que aspirava a se candidatar, mas ainda não tinha a carteirinha de nenhum partido, também seria vítima dos embates com os criminosos da região mas, neste caso, com os milicianos.

Há um crime passional (Darley Gonçalves Braga) e uma briga de trânsito (Nelson Gomes Souza) entre eles, nos quais descartou-se definitivamente o componente político.

Por último, Luciano Nascimento Batista (Luciano DJ) e Geraldo Cardoso Gerpe (Geraldão) eram os únicos que exerciam cargos na administração e o papel deles, no momento da sua morte, era determinante no futuro político dos prefeitos das suas cidades, Seropédica e Magé. Os vínculos com a milícia, no entanto, formam parte da equação para resolver seus assassinatos.

Compartilhe:
Tags: ,,,,,,,

Comente no Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com