quarta-feira, 22 de Maio de 2019

Notícias

In:

IPC registra leve alta e mostra que ir ao supermercado está ficando mais caro

Por Redação com Ascom Seplag
Reprodução

Reprodução

Ir ao supermercado pode parecer uma tarefa simples, mas para os que querem economizar, toda atenção é pouca na hora de adicionar produtos ao carrinho de compras. Foi justamente pensando em auxiliar o alagoano nessa missão que a Secretaria de Estado do Planejamento, Gestão e Patrimônio (Seplag), divulgou, nesta segunda-feira (12), o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) referente ao mês de agosto de 2016.

De acordo com a pesquisa desenvolvida pela Superintendência de Produção da Informação e do Conhecimento (Sinc) da pasta, no último mês, o IPC apresentou uma variação de 0,46%. Em função, principalmente, da alta do leite, o grupo que obteve maior destaque foi o de Alimentação e Bebidas, com uma variação de 0,98%.

“A partir do levantamento, constatamos que os produtos que apresentaram maior elevação de preços foram a manteiga (9,34%), o leite condensado (8,15%), o arroz (7,60%) e o leite (7,49%), o que influenciou para que o grupo de Alimentação e Bebidas registrasse uma alta maior em relação aos demais”, explicou o supervisor de pesquisas da Seplag, Gilvan Sinésio.

A variação, no entanto, não se restringe apenas ao grupo dos alimentos. Quem vai se aventurar nas lojas de roupas, sapatos e acessórios também precisa ficar atento às mudanças nos preços, já que, de acordo com os dados da pesquisa, o grupo de Vestuários foi o segundo a apresentar maior variação no mês de agosto, seguido pelo de Transportes.

“Os produtos do grupo de Vestuário que apresentaram maior variação foram a sandália/chinelo masculino (2,68%) e o short e bermuda masculinos (2,09%), que tradicionalmente movimentam esse segmento do mercado no mês de agosto. Além desses, outros produtos que se destacaram na alta de preços foram a camisa/camiseta infantil (1,92%) e a lingerie (1,84%). Em geral, a variação nesse grupo decorre em função da chegada da coleção primavera-verão, que teve início no mês pesquisado e trouxe novos produtos às lojas”, afirmou Sinésio.

Cesta básica

Outro ponto relevante na pesquisa para os maceioenses é a questão da cesta básica alimentar que, durante o mês pesquisado, apresentou um aumento de 0,45% em relação a julho e comprometeu 38,94% do salário mínimo.

“No mês de agosto, a cesta básica obteve um custo de R$ 342,64 no bolso das famílias de Maceió. Os produtos que contribuíram para esse aumento foram justamente a manteiga, o arroz e o leite, responsáveis pela alta variação no grupo dos alimentos”, ressaltou Sinésio.

A pesquisa do IPC ainda apontou que a carne, um dos produtos de maior relevância e presença na mesa dos maceioenses, registrou uma variação de 0,69%, em comparação com o último mês. Para se ter uma ideia, foi preciso que o trabalhador gastasse a quantia de R$ 19,50 para adquirir 4,5 kg do produto.

Compartilhe:
Tags: ,,

Comente no Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com