quarta-feira, 19 de junho de 2019

Notícias

In:

Alta do dólar e estiagem da agricultura deixam a Páscoa mais cara para o alagoano

Por Ivan1

Bacalhau foi um dos "vilões" da alta de preços da ceia pascoal. (Foto: Divulgação)

Bacalhau foi um dos “vilões” da alta de preços da ceia pascoal. (Foto: Divulgação)

   A Superintendência de Produção da Informação e do Conhecimento (Sinc), ligada a Secretaria de Estado do Planejamento e Gestão, divulgou, nesta quinta-feira (26), o Índice de Preço ao Consumidor (IPC) relativo aos produtos de Páscoa.
A listagem contém os preços dos produtos mais procurados neste período e mostra que os consumidores que não abrem mão de bacalhau, chocolates e vinhos durante a ceia precisam ficar alerta. A alta do dólar provocou aumento de preços nos produtos importados e nos que possuem algum insumo vindo do exterior.
A pesquisa analisou os cinco principais supermercados da capital alagoana, considerando os itens mais consumidos e procurados nesta época, como peixes, vinhos, caixa de bombom e ovos de chocolate.
Além dos itens tradicionais, o levantamento também incluiu produtos que são utilizados para a preparação do tradicional almoço de páscoa, como sardinha em lata, azeitona, palmito, alface, repolho, cebola, leite de coco e ovos de galinha.
As análises são feitas no mesmo período e comparam os valores dos mesmos produtos registrados em 2014.

    Pescados

Neste ano, com exceção do preço do camarão, que não teve alteração, os demais tipos de pescados tiveram aumento. A alta cotação do dólar nas últimas semanas impactou no preço dos peixes importados, além da alta tributação, o que é comum também o aumento por conta da maior procura no período.
A maior alta foi no bacalhau tipo saith (33,67%), seguido pelo peixe dourado (19,64%), bacalhau do porto (17,8%) e salmão (10,8%).
Para os pescados que são mais presentes em nosso litoral, o aumento foi moderado. A sardinha fresca subiu 5,47%, o filé de tilápia 2,57% e o sururu 3,16%.

 Ceia

Em 2015, as verduras e legumes vão encarecer a ceia. Os grandes períodos de seca diminuíram a produção, com isto, os valores aumentam. É o caso do repolho que teve um aumento de 22,39%, a cebola (26,36%) e a alface (38,14%).
Produtos como leite de coco (16,6%) e ovo de galinha (5,1%) também tiveram aumento. Na contramão, os enlatados tiveram pequenas baixas de preço, produtos como a azeitona (-0,08%) e o palmito (-0,04%) estão mais baratos ao consumidor.

    Chocolates

Os chocolates, seja caixa de bombom ou ovos de páscoa, apresentaram altas no período analisado, 13,07% e 16,7%, respectivamente.  O aumento tem como motivos a estiagem que afeta as plantações de cacau, o aumento da energia e gasolina que interferem na produção e distribuição do chocolate, além da procura destes itens no período.
Já o aumento do vinho é de 21,5% e tem motivações diferentes. Esse produto é o que possui maior alíquota dos tributos de importação (54,73%), além de ser altamente influenciado pelo câmbio da moeda americana.
Com estes resultados, a alternativa sugerida aos alagoanos é variar os produtos da ceia, adotando alimentos produzidos localmente e trocar os vinhos importados por produtos nacionais, já que sobre estes, a tributação incidente é um pouco menor.

Compartilhe:

Comente no Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com